Explicação sobre o blog "Ativismocontraaidstb"


Aproveito para afirmar que este blog NÃO ESTÁ CONTRA OS ATIVISTAS, PELO CONTRÁRIO.

Sou uma pessoa vivendo com HIV AIDS e HOMOSSEXUAL. Logo não posso ser contra o ativismo seja ele de qualquer forma.

QUERO SIM AGREGAR(ME JUNTAR A TODOS OS ATIVISTAS)PARA JUNTOS FORMARMOS UMA força de pessoas conscientes que reivindicam seus direitos e não se escondam e muito menos se deixem reprimir.

Se por aí dizem isso, foi porque eles não se deram ao trabalho de ler o enunciado no cabeçalho(Em cima do blog em Rosa)do blog.

Espero com isso aclarar os ânimos e entendimentos de todos.

Conto com sua atenção e se quiser, sua divulgação.

Obrigado, desculpe o transtorno!

NADA A COMEMORAR

NADA A COMEMORAR
NADA A COMEMORAR dN@dILM@!

#CONVITE #ATOpUBLICO DE #DESAGRAVO AO FECHAMENTO DAS #EAT´S

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

#CONVITE #ATOpUBLICO DE #DESAGRAVO AO FECHAMENTO DAS #EAT´S

SEGUNDA-FEIRA 10:00hS
EAT Luis Carlos Ripper - Rua Visconde de Niterói, 1364 - Bairro Mangueira.
Caro Companheiro (a), Venha participar, com sua presença, dia 18 de fevereiro, às 10hrs da manhã de um "abraço" ao prédio da nossa querida EAT - Escola das Artes Técnicas Luis Carlos Ripper que, junto com a EAT Paulo Falcão ( Nova Iguaçu) foi fechada por uma arbitraria decisão governamental. Participe deste ato de desagravo ao fechamento de duas escolas públicas, reconhecidas e premiadas internacionalmente que, há dez anos, levam educação de excelência ao povo. ... Compartilhe este convite com todos aqueles que, como você esta comprometidos com a educação verdadeiramente de qualidade. >> Assine a petição para não deixar o governo do estado acabar com duas escolas de excelência!! << http://www.avaaz.org/po/petition/Pelo_manutencao_das_EATS_e_de_sua_Metodologia/?cqMRZdb Saiba mais: http://sujeitopolitico.blogspot.com.br/

ESTE BLOG ESTA COMEMORANDO!!!

ESTE BLOG ESTA COMEMORANDO!!!
3 anos de existência com vocês...

Ativismo Contra Aids/TB

domingo, 4 de dezembro de 2011

Com alta taxa de mortes por Aids, Rio gasta menos em prevenção



Jornal O GLOBO
 
Catarina Alencastro, Antonio Marinho e Letícia Lins, O Globo
Voluntário José Luiz distribui camisinha Foto: Domingos Peixoto / O Globo
Voluntário José Luiz distribui camisinha Domingos Peixoto / O Globo
BRASÍLIA - O Rio é o estado com os piores indicadores relacionados à Aids no Sudeste, que concentra 56% dos casos. No ano passado, a incidência da doença foi de 28,2 para cada 100 mil habitantes, a quinta maior do país e a mais elevada da região. A taxa de mortalidade também é a mais alta do Sudeste e destoa da registrada no Brasil como um todo. Enquanto no Rio a taxa de mortos por Aids é de 10,3 para cada 100 mil, no Brasil é de 6,3. O número de cariocas infectados pelo vírus HIV também aumentou em relação a 1998, passando de 4.204 para 4.504.
Para o Ministério da Saúde, que divulgou o último Boletim Epidemiológico da Aids esta semana, o problema é o diagnóstico tardio e, consequentemente, o início do tratamento quando o estado do paciente já é grave.
— Os números do Rio nos preocupam. Hoje, no estado, a questão é identificar as pessoas oportunamente e oferecer o tratamento — diz Eduardo Barbosa, diretor-adjunto do Departamento de DST e Aids do ministério.
Nos últimos 12 anos, os indicadores do Rio flutuaram bastante, melhorando no fim da década de 90, mas voltando a piorar a partir de 2007. Para o representante da Organização das Nações Unidas para a Aids no Brasil, Pedro Chequer, isso sinaliza inconsistência na política de prevenção e tratamento à Aids.
— O problema é a porta de entrada para o diagnóstico. O Rio tem rede hospitalar, mas não rede ambulatorial. Com frequência, os diagnósticos são feitos na emergência do Hospital Municipal Miguel Couto, com o paciente já em situação gravíssima.
Diretora do Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chaga, da Fundação Oswaldo Cruz, Valdiléia Veloso chama atenção para a incidência de Aids em menores de 5 anos, que, em 1998, era praticamente igual em São Paulo e no Rio. Hoje, sem levar em conta dados de 2011, São Paulo registra dois casos e o Rio, 5,8 casos, em cada cem mil habitantes.
— Isso tem relação com os cuidados no pré-natal. Há mulheres que são diagnosticadas com HIV na gestação e recebem medicamentos para evitar a transmissão para o bebê. Dois anos depois, a mesma mulher retorna grávida e conta que não se tratou. Vimos essas histórias em pesquisas — diz. — Hoje, há um maior investimento no Rio em programas de Saúde da Família, mas isso não significa melhora na prevenção, no diagnóstico e no tratamento da Aids.
O estado é o que menos executa recursos de incentivo que o governo federal repassa para ações de prevenção à Aids. Desde 2003, quando o Programa de Ações e Metas (PAM) começou, o Rio executou 75% da verba que recebeu. São Paulo gastou 88% da verba; Minas Gerais, 82%; e Espírito Santo, 76%. Em maio deste ano, última atualização do sistema, R$ 20,4 milhões estavam parados nas contas do governo do Rio, que, por sua vez, passa o dinheiro para as cidades investirem em testes rápidos e capacitação de equipes de atendimento a pacientes aidéticos. Em Mesquita, apenas 14% do total enviado foi gasto. Na capital, onde, segundo o Fórum de ONGs Aids do Rio, estão 60% dos casos de Aids, pouco mais da metade dos recursos recebidos foram aplicados: 52%.
— Quando a pessoa consegue realizar o teste, demora até ter a primeira consulta e começar a tomar os medicamentos. Isso é rotina no Rio. Nos postos e hospitais que poderiam estar fazendo o teste anti-HIV, há pouca oferta. A política de Aids não funciona — reclama Willian Amaral, do Fórum de ONGs do RJ.
Superintendente de Vigilância Epidemiológica do estado, Alexandre Chieppe admite que o acesso precisa ser ampliado.
— Temos problemas em alguns locais. Sabemos que o teste é crucial para a resposta à Aids, por isso, estamos em processo de aquisição de unidades móveis de testagem.
‘Falta assistência’
O relato de José Luis Santos da Silva, 46 anos, sobre a descoberta da contaminação por HIV impressiona pelos detalhes. A notícia veio logo após uma doação de sangue, em agosto de 2007, e o deixou estarrecido. Separou-se da mulher, passou quase dois meses "morando" na Rodoviária Novo Rio, e entrou em desespero. Apenas seis meses depois, conseguiu iniciar o tratamento para a doença com o coquetel antiretroviral.
— As pessoas pensam que basta tomar uns comprimidinhos e tudo vai ficar bem. Mas não é assim: eles causam reações muito desagradáveis — conta ele, que diz saber a razão pela qual o Rio lidera a incidência e a taxa de mortalidade por Aids no Sudeste: — Isso acontece porque a política de Aids do estado é a da desassistência. Faltam leitos, testes anti-HIV e medicamentos para doenças oportunistas.
Além disso, segundo José Luis, o estigma contra a doença permanece, embora já esteja mais do que provado que a infecção não acomete apenas homossexuais.
— Quando eu digo que tenho Aids, dizem logo: nossa, você é gay? — relata ele, que é heterossexual.
Verbas para ação de prevenção à Aids caiu 50%
Com cerca de 34 mil novos casos de Aids registrados só no ano passado, o Brasil deixou de aplicar mais de R$140,3 milhões em ações de prevenção e tratamento da doença, segundo denúncia feita em Recife por 29 entidades que integram a Articulação Aids em Pernambuco. A verba, proveniente da Política de Incentivo para Estados e Municípios na área de DST/Aids do Ministério da Saúde, deveria ter sido utilizada por prefeituras e governos estaduais ao longo dos últimos três anos.
De acordo com a secretária regional do Conselho Latino Americano e Caribenho de ONG/Aids, Alessandra Nilo, o combate à infecção deixou de ser prioridade no Brasil em todas as esferas de governo, e as verbas destinadas a prevenir o contágio pelo HIV vêm diminuindo de forma gradativa.
— Em 2008, 14% dos recursos para a Aids no Brasil eram destinados a ações preventivas. Mas, em 2009, esse percentual foi reduzido a 7%, conforme relatório encaminhado pelo governo brasileiro à Unaids em 2010 — afirmou, referindo-se ao programa das Nações Unidas para o combate à doença.

Leia mais sobre esse assunto em:


© 1996 - 2011. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Roberto Pereira
Coordenação Geral
Centro de Educação Sexual - CEDUS
Membro Suplente da Comissão Nacional de Aids - MS
Membro da Executiva do Fórum ONGs Tuberculose - RJ
Membro da Executiva do Fórum ONG Aids RJ
Av. General Justo, 275 - bloco 1 - 203/ A - Castelo
20021-130 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
Cel: (55.21) 9429-4550
cedusrj@yahoo.com.br

A prioridade absoluta tem de ser o HUMANO.
Acima dessa, não reconheço nenhuma outra.
(José Saramago)





Quero deixar meu Protesto com a equipe de revisão de texto do Jornal O Globo e em relação ao termo AIDÉTICO usado por seus Reporteres: Catarina Alencastro, Antonio Marinho e Letícia Lins, O Globo, que talvez eles não saibam, não se usa mais, pelo fato da mesma palavra estar carregada de pre conceito, discriminação e estigma. Que nas proximas matérias os Senhores:Catarina Alencastro, Antonio Marinho e Letícia Lins, O Globo Usem o termo Soro positivo!!!1 Nilo Geronimo Borgna
 

Um comentário:

Alice Moreira disse...

Acho um absurdo o uso de termo tão pesado e de tom tão Pré conceituoso...
Mas Acho que cabe uma nota de Repudio das sociedades civis de apoio aos soros positivos e da sociedade como um todo,para que tais matérias não sejam mais vinculadas com cunho tão pesado.
Firmes na Luta querido Nilo pois Juntos somos Potência.